BIO

Doutorando pelo PPGAC da ECA/USP e mestre pelo Departamento de Letras Modernas da FFLCH – USP, Alexandre é dramaturgo, diretor e escritor. Foi vencedor e indicado diversas vezes a todos os principais prêmios brasileiros, tais quais, prêmio Shell, APCA, Prêmio Governador do Estado de São Paulo, Prêmio Questão de Crítica, Aplauso Brasil. Algumas de suas mais importantes peças são Abnegação III – Restos (Aplauso Brasil, encenada em Buenos Aires, onde ficou mais de dois anos em cartaz, com direção de Lisandro Rodrigues), Abnegação 1 (APCA, editado na França pela Les Solitaires Intempestifs, cumpriu temporada em Paris no Teatro Le Monfort com ampla aceitação de público e crítica), O Filho (APCA e Prêmio Governador do Estado de São Paulo). Teve textos traduzidos e montados no exterior, como na Argentina, Portugal, Alemanha e França, e suas peças participaram de todos os importantes festivais do Brasil, assim como, de alguns no exterior, tais quais o FIBA 2019, FITEI 2017, FITEI 2019, FITEI 2020 (participação adiada para 2021 por conta do Covid19). Seu mais recente trabalho foi Floresta (2020), texto e direção seus. Em 2021, estreará no FITEI (Porto, Portugal), a peça Reconciliação, criada em parceria com a artista portuguesa Patricia Portela. Lançou em 2013 o seu primeiro romance, Manual da Destruição, pela editora Hedra.

Trabalhou com diversos dos mais importantes grupos e diretores brasileiros e estrangeiros, tais quais, Teatro da Vertigem, Grupo XIX de Teatro e Luiz Fernando Marques, Eric Lenate, Grupo Bagaceira (Fortaleza), Lisandro Rodriguez (ARG), Tillman Köhler (Alemanha), Guillaume Durieux (França), Patrícia Portela (Portugal), Pedro Vilela (Recife), entre outros. Foi curador do FIT Rio Preto 2019, edição de 50 anos do festival.

FotoAleFundoPreto (1).jpg